A Mubadala Investment Co., de Abu Dhabi, e a Itaúsa Investimentos estão entre os grupos que apresentaram proposta para comprar a distribuidora de gás engarrafado

da Petrobras por até R$ 2,8 bilhões, disseram pessoas com conhecimento do assunto.

Outros interessados na Liquigas Distribuidora SAincluem um grupo liderado pela distribuidora de gás holandesa SHV Holdings NV, disseram duas das pessoas, pedindo para não serem identificadas porque as discussões são privadas.

A Itaúsa, holding das famílias Setubal e Villela, vai concorrer como parte de um consórcio com a Copagaz Distribuidora de Gás Ltda., disseram duas das pessoas. As ofertas variam entre R$ 2,5 bilhões e R$ 2,8 bilhões de reais, disseram as pessoas. A Itaúsa não respondeu imediatamente às solicitações de comentários após o horário comercial. Mubadala, Copagaz, SHV e Petrobras não quiseram comentar.

A Liquigás, fornecedora de gás liquefeito de petróleo para cozinhar para cerca de 35 milhões de residências, é um dos ativos colocados no bloco de venda pela Petróleo Brasileiro SA, como é conhecida a empresa estatal de petróleo, em um esforço para cortar dívidas e se concentrar na exploração em águas profundas.

O GLP engarrafado é a única fonte de gás de cozinha para milhões de consumidores no Brasil. A Liquigás possui 22% do mercado, atrás da rival Cia. Ultragaz SA, com 24%, de acordo com o órgão regulador do setor de petróleo do Brasil.

O presidente-executivo da Itaúsa, Alfredo Setubal, disse em fevereiro que a empresa estava “analisando todas as privatizações da Petrobras”.

Petrobrasconcordou em vender a Liquigás por R$ 2,8 bilhões de reais para a Ultrapar Participações SA, proprietária da Ultragaz, em 2016, mas o Cade, órgão antitruste do Brasil, vetou o negócio no ano passado.

A Petrobras comprou a Liquigás da Eni SpA, com sede em Roma, em 2004, quando o produtor brasileiro buscava expandir seu alcance para diferentes mercados de energia. Sob o comando do diretor-presidente, Roberto Castello Branco, a empresa agora está vendendo ativos não-essenciais para reforçar seu balanço e se concentrar na exploração e produção de petróleo.

Exame.com