uase dois meses depois de jogar no sul do Brasil, o Clube do Remo voltou a sofrer com atos racistas no Rio Grande do Sul (RS). Desta vez, o jogo contra o Ypiranga-RS , que terminou empatado em 1 a 1 na última sexta-feira (19), também teve um clima hostil fora de campo.

De acordo com o dirigente do Clube do Remo, Dirson Medeiros, o jogador Marcão e um membro da comissão técnica alegaram ter sofrido injúria racial por parte dos torcedores do Canarinho.

“Os jogadores estavam aquecendo antes do jogo e um torcedor chamou o Marcão de Urubu. Logo depois foi a vez de outros torcedores do Ypiranga-RS falarem algo em torno de que tirar o Norte e o Nordeste, o Brasil melhorava”, disparou o dirigente remista.

Ainda de acordo com dirigente, o assunto está sendo resolvido de forma interna. “O Fábio irá decidir sobre o assunto e deverá comunicar o fato a CBF, além dos erros da arbitragem na última partida”.

O mandatário remista, Fábio Bentes irá até a sede da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) para tratar de assuntos relacionados ao clube, entre eles, os episódios da última partida azulina.

Vale lembrar que em maio na partida contra o Juventude-RS, o jogador Emerson Carioca sofreu insultos racistas de um torcedor do clube gaúcho, além de torcedores azulinos que foram assistir ao jogo no estádio Alfredo Jaconi.