A fala do presidente Jair Bolsonaro, na qual se referiu aos governadores do Nordeste como "governadores de paraíba", na última sexta-feira (19/7),

continuou sendo motivo de protestos neste sábado (20/7). E as críticas vieram de pessoas com perfis bem diferentes, de generais a artistas, passando, evidentemente, por políticos nordestinos. A polêmica também fez com que o termo "orgulho do Nordeste" se tornasse o mais comentado do Twitter.

No começo da tarde, a cantora Alcione postou um vídeo no Instagram no qual exige respeito ao Nordeste e ao Maranhão, estado governado por Flávio Dino (PCdoB), apontado por Bolsonaro, na conversa com o ministro Onyx Lorenzoni, como "o pior deles". 

A fala de Alcione foi acompanhada de um texto que tem praticamente o mesmo conteúdo do que a artista diz: "Presidente Bolsonaro, eu não votei no senhor e não me arrependo. Eu sou uma brasileira que não torço contra o governo, não sou burra. Eu sei que se torcer contra, estou torcendo contra o meu país. Agora meu pai sempre me dizia, que meu avó já dizia para ele: “QUEM QUER RESPEITO, SE DÁ”. E o senhor não está se dando respeito. O senhor precisa respeitar o povo nordestino. RESPEITE O MARANHÃO. O senhor tem medo de facada, tem medo de tiro, mas o senhor precisa ter medo do pensamento. O pensamento é uma força. Pense em mais de 30 milhões de nordestinos pensando contra o senhor? Comece a nos respeitar. RESPEITE O POVO BRASILEIRO."

 

Da ala militar, a reprovação veio do general da reserva Luiz Rocha Paiva, que falou ao jornal Estado de S. Paulo. Paiva considerou o comentário de Bolsonaro "antipatriótico” e “incoerente”. "Tem que ter calma, mas mostrar pra ele o quanto perdeu com essa grosseria com que menosprezou uma região do Brasil e seus habitantes. Um comentário antipatriótico e incoerente para quem diz 'Brasil acima de tudo'", afirmou o general, que foi integrante da Comissão da verdade.

Ex-governador do Ceará e candidato à Presidência em 2018 pelo PDT, Ciro Gomes foi outro que se manifestou, chamando, no Twitter, Bolsonaro de Magda das Milícias, uma referência à personagem Magda, interpretada por Marisa Orth no programa Sai de baixo. "Cala a boca, 'Magda das milícias'! 'não existe fome no Brasil', 'vai privilegiar o filho', chama de 'Paraíba' toda uma região com mais 30 milhões de habitantes, ataca um dos melhores governadores e, irresponsavelmente, determina perseguição ao povo de um Estado...", escreveu.

Ciro Gomes
 
@cirogomes
 
 

Cala a boca “Magda das milícias”!
”não existe fome no Brasil”, “vai privilegiar o filho”, chama de “Paraíba” toda uma região com mais 30 milhões de habitantes, ataca um dos melhores governadores e, irresponsavelmente, determina perseguição ao povo de um Estado...

 
4.592 pessoas estão falando sobre isso
 
 

Microfone aberto

A fala de Bolsonaro, que aparentemente não sabia que os microfones já captavam sua fala pouco antes de um café da manhã dos jornalistas, app/63,14app/noticia/politica/2019/07/19/interna_politica,772322/video-bolsonaro-chama-governadores-do-nordeste-de-paraiba.shtml">gerou reação de Flávio Dino e demais governadores da região, que publicaram uma carta pedindo explicações. Até a última atualização desta matéria, o Planalto e o presidente ainda não haviam se manifestado sobre o assunto.

 

Alguns políticos estudam a possibilidade de processar o presidente, como afirmou o deputado federal Márcio Jerry (PCdoB-MA).  Pres @jairbolsonaro se referiu ao nordeste de forma preconceituosa e ameaçou estados. Representarei à PGR para apurar cometimento de crime comum, neste caso crimes de ameaça, contra a honra e racismo ('paraíbas'). Irei analisar também a existência de crime de responsabilidade", postou no Twitter.

 

Márcio Jerry
 
@marciojerry
 
 

Pres @jairbolsonaro se referiu ao nordeste de forma preconceituosa e ameaçou estados.
Representarei à PGR para apurar cometimento de crime comum, neste caso crimes de ameaça, contra a honra e racismo ("paraíbas"). Irei analisar também a existência de crime de responsabilidade.

 
417 people are talking about this
 

 

 

 

ENTENDA O CASO ABAIXO:

Os nove governadores do Nordeste assinaram, na noite desta sexta-feira, 19, uma carta em que repudiam uma declaração do presidente Jair Bolsonaro 

que dá a entender que irá retaliar o estado do Maranhão, governado por Flávio Dino (PCdoB).

O áudio vazado não é claro, mas, em café da manhã com jornalistas da imprensa internacional, Bolsonaro parece dizer ao ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, que Flávio Dino é “o pior”. Sem perceber que seu microfone já estava ligado, o presidente dá um ultimato a Lorenzoni: “Tem que ter nada com esse cara”.

Flávio Dino postou o vídeo e criticou o presidente da República, que teria usado a expressão ‘governadores de Paraíba’ antes de citar o governador do Maranhão.

Flávio Dino 🇧🇷
 
@FlavioDino
 
 

Neste vídeo, ouvi mais claramente o que disse o presidente da República. Parece chamar todos os nordestinos de “paraíba” e me ameaça, com estranha raiva. Lamento e espero explicações, pois isso é algo realmente inédito e incompatível com a Constituição

 
Vídeo incorporado
 
16,1 mil pessoas estão falando sobre isso
 
 

 

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), divulgou a íntegra do documento em seu perfil no Twitter. “Nós governadores do #Nordeste recebemos com espanto e profunda indignação a declaração do presidente da República transmitindo orientações de retaliação a governos estaduais. Aguardamos esclarecimentos e reiteramos nossa defesa da Federação e da democracia”, diz o tuíte.

Rui Costa
 
@costa_rui
 
 

Nós governadores do recebemos com espanto e profunda indignação a declaração do presidente da República transmitindo orientações de retaliação a governos estaduais. Aguardamos esclarecimentos e reiteramos nossa defesa da Federação e da democracia.

Ver imagem no Twitter
 
271 pessoas estão falando sobre isso

Na carta, os governadores dizem que buscam “manter produtiva relação institucional com o governo federal” e ressaltam que “o princípio federativo exige que os governos mantenham diálogo e convergências, a fim de que metas administrativas sejam concretizadas visando sempre melhorar a vida da população”.

 

Além de Flávio Dino e Rui Costa, assinam o documento os governadores Renan Filho (MDB-AL), Camilo Santana (PT-CE), João Azevêdo (PSB-PB), Paulo Câmara (PSB-PE), Wellington Dias (PT-PI), Fátima Bezerra (PT-RN) e Belivaldo Chagas (PSD-SE).

Leia abaixo a íntegra da carta:

9 de Julho de 2019

Nós governadores do Nordeste, em respeito à Constituição e à democracia, sempre buscamos manter produtiva relação institucional com o Governo Federal. Independentemente de normais diferenças políticas, o princípio federativo exige que os governos mantenham diálogo e convergências, a fim de que metas administrativas sejam concretizadas visando sempre melhorar a vida da população.

Recebemos com espanto e profunda indignação a declaração do presidente da República transmitindo orientações de retaliação a governos estaduais, durante encontro com a imprensa internacional. Aguardamos esclarecimentos por parte da presidência da República e reiteramos nossa defesa da Federação e da democracia.

RENAN FILHO – Governador do Estado de Alagoas

RUI COSTA – Governador do Estado da Bahia

CAMILO SANTANA – Governador do Estado do Ceará

FLÁVIO DINO – Governador do Estado do Maranhão

JOÃO AZEVÊDO – Governador do Estado da Paraíba

PAULO CÂMARA – Governador do Estado de Pernambuco

WELLINGTON DIAS – Governador do Estado do Piauí

FÁTIMA BEZERRA – Governadora do Rio Grande do Norte

VEJA.com