O Dalai Lama lamenta profundamente os comentários que fez sobre as mulheres durante uma recente entrevista à BBC, informou sua assessoria de imprensa em um

comunicado divulgado nesta terça-feira.

"A respeito da pergunta se sua reencarnação poderia ser uma mulher, e ao sugerir que ela deveria ser mais atraente, Sua Santidade genuinamente não quis ofender. Lamenta profundamente que as pessoas tenham ficado ressentidas pelo que ele disse e oferece suas sinceras desculpas", afirma o comunicado.

Os comentários foram feitos na semana passada em uma entrevista à emissora britânica com o líder espiritual tibetano no exílio, em Dharamsala, no norte da Índia.

"Se houver uma mulher Dalai Lama, ela deve ser mais atraente", brincou ele ao ser indagado a respeito da possibilidade.

O comentário causou uma agitação nas mídias sociais em todo o mundo.

"Sua Santidade, um monge agora com oitenta e poucos anos, tem um grande senso das contradições entre o mundo materialista e globalizado que encontra em suas viagens e as ideias complexas e esotéricas sobre a reencarnação que estão no coração da tradição budista tibetana, afirma o comunicado.

"No entanto, às vezes acontece que (...) o que pode ser divertido em um contexto cultural, perde o humor na tradução quando vertido para outro contexto. Ele se arrepende de qualquer ofensa que possa ter sido feita", afirma ainda o texto.

"Por toda a sua longa vida, Sua Santidade se opôs à objetificação das mulheres, apoiou as mulheres e seus direitos e celebrou o crescente consenso internacional em apoio à igualdade de gênero e respeito às mulheres", conclui a nota.

AFP