O muro que antes protegia a Alfândega do mar, em Florianópolis, ressurgiu novamente com a obra de recuperação do largo. Nos últimos dias, imagens correram pelas redes

sociais, principalmente postadas por pessoas nascidas na cidade lembrando do tempo em que não havia o aterro no local. Automaticamente, começaram os pedidos para que a estrutura seja mantida mesmo com a reforma.

Foto: Tiago Ghizoni
(Foto: Tiago Ghizoni)

Nesta quinta-feira (28), a prefeitura confirmou que parte do muro ficará visível. Segundo o chefe de gabinete da prefeitura, Bruno Oliveira, houve um acordo com o Instituto de Patrimônio Histórico Nacional (Iphan), já que o prédio da Alfândega é tombado. Uma mudança no projeto, alega Oliveira, geraria um atraso e aditivo de valor.

Segundo a superintendente do Iphan em Santa Catarina, Liliane Nizzola, o órgão aprovou o projeto da prefeitura de Florianópolis para manter três trechos do muro aparentes. Nestes locais vão haver espelhos d'água para simular a água do mar batendo na estrutura, como ocorria antes do aterro.

Por Ânderson Silva

NSC TOTAL