Nesta quarta-feira, 1° de maio, começa oficialmente a safra da tainha 2019 para os pescadores artesanais de todo o Brasil. Como a modalidade de arrasto de praia não está dentro da normativa que regulamenta a pesca no país, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) orientou que o Estado de Santa Catarina renove as permissões de pesca para os pescadores que tinham a licença em 2017.

A orientação é para que apresentem a licença daquele ano ao órgão para que seja emitido um certificado provisório que autoriza a pesca em 2019. Os pescadores podem ir direto na sede do Mapa, em São José, ou procurar sua colônia de pescador.

 
TRADIÇÃO

A preparação de pescadores para safra da tainha

 
 

O presidente da Federação de Pescadores do Estado de Santa Catarina (Fepesc), Ivo da Silva, acredita que a maioria dos pescadores já está correndo atrás da liberação para se regularizar. Apesar de a safra começar nesta quarta, ainda não há peixe nas águas catarinenses por causa do calor, então têm mais um tempinho para conseguirem a liberação.

— Aqueles que têm a licença de 2017 não terão problemas, até porque a maioria dos pescadores da modalidade arrasto de praia tem essas licenças — diz.

Já para as modalidades com barco a motor, de rede anilhada e a pesca industrial ainda há um impasse, pois o Mapa não publicou a portaria que regulamenta o período de pesca e as cotas para cada modalidade. A expectativa é que seja publicada amanhã. Segundo o advogado Ernesto São Thiago, que atua junto às associações de pescadores, a previsão é que as regras sejam as mesmas da portaria de 2018, porém ainda há dúvidas sobre se terão cotas únicas por modalidade ou será individual. Em Santa Catarina há 70 embarcações industriais e 1,4 mil trabalhadores envolvidos.

Expectativa é muito boa

Em todo o Litoral catarinense, segundo Ivo, são mais de 42 mil pescadores artesanais e 13 mil que praticam a pesca da tainha. Florianópolis é a cidade que mais concentra embarcações de canoa a remo e chega a 4 mil profissionais.

— A Ilha é onde todo mundo gosta de participar da pesca da tainha. O envolvimento da comunidade é muito grande, sem falar que é o lugar onde tem mais ranchos de pesca, o número de pessoas envolvidas com os lanços chega a 6 mil, incluindo comunidade — conta Ivo.

redes preparadas para a tainha foto Diorgenes Pandini
As redes estão prontas para o início da safra
(Foto: Diorgenes Pandini/Hora de Santa Catarina)

Já a expectativa para este ano não poderia ser melhor. A estimativa é capturar cerca de 2 mil toneladas do peixe, próximo aos números do ano passado.

— Sabemos que a pesca vai ser boa, já tivemos um ensaio de friozinho com vento sul e vimos que tem movimento de peixe. Esperamos que os peixes saiam da Lagoa dos Patos e do Uruguai e venham para SC. Achamos que vai ser uma boa safra — argumenta Ivo. 

Mas o tempo deve continuar mais quente na primeira quinzena de maio. De acordo com o meteorologista da NSC Comunicação, Leandro Puchalski, o outono está sendo influenciado pelo fenômeno climático El Niño, responsável por retardar a chegada das massas de ar frio. A previsão, segundo ele, é de noites e manhãs um pouco frias e tardes mais quentes. Isso deve ocorrer até a metade do mês.

No entanto, segundo Puchalski, o que faz a tainha subir para o litoral catarinense são as águas mais quentes daqui, pois os peixes fogem do frio do Rio Grande do Sul para se reproduzirem em águas mais quentes.

Preparativos estão em dia

As últimas semanas foram de trabalho duro nos ranchos de pescadores do Getúlio e do Pedro, dois dos quatro ranchos da Praia do Campeche, em Florianópolis. Metros e mais metros de rede estão sendo reformadas, assim como as embarcações. Até hoje tudo deve estar pronto para começar mais uma temporada de pesca.

Liberato Jorge Braz foto Diorgenes Pandini
Liberato Jorge Braz
(Foto: Diorgenes Pandini/Hora de Santa Catarina)

Com canivete e linha de náilon em mãos, Liberato Jorge Braz, de 62 anos, remenda cada parte arrebentada da rede de pesca. Todo esse esforço tem um único objetivo: trazer as tainhas do mar para a areia e, depois para a mesa. A expectativa é de boa safra, que se constrói com fé e esperança.

— Todo ano a gente tem esperança, mas quem manda aqui é a quadra, a quadra que eu digo é o tempo, se for bom e o mar for calmo, será fácil de capturar as tainhas — conta.

Ele, assim como todos os pescadores, aguarda ansioso pelo início da safra e faz questão de lembrar que a pesca da tainha é tombada como patrimônio cultural imaterial catarinense. A própria comunidade pesqueira do Campeche foi reconhecida como patrimônio e receberá o certificado hoje.

Tradição de 14 anos

José Volnei Heerdt, 68, pesca desde pequenino, mas hoje, já aposentado, continua com a prática apenas por hobby. Ele conta que, como costume, no dia 1° de maio ninguém sai para pescar, a não ser que dê muito peixe. O dia é reservado para a missa de abertura da safra, que ocorre há 14 anos no rancho do Seu Getúlio, no Campeche. Getúlio Manoel Inácio, idealizador do evento, faleceu em janeiro de 2018.

José Volnei Heerdt foto Diorgenes Pandini
José Volnei Heerdt
(Foto: Diorgenes Pandini/Hora de Santa Catarina)

A partir das 8h será servido café da manhã comunitário, terá procissão, corrida de canoa na estiva, cabo de guerra, roda de capoeira e o folclórico boi de mamão. A missa será celebrada às 10h.

— A expectativa é de boa safra, temos que ter fé, senão não funciona. Estamos todos ansiosos, em dia de lanço aparece 100, 200 pessoas, é maravilhoso, é bonito demais. Chegamos aqui às 5h e saímos só quando começa a escurecer — conta.

— Mas a pesca mesmo começa só na quinta (amanhã), porque na quarta é dia de festividade no rancho do Getúlio — lembra José Volnei.

Datas da safra da tainha

** Pesca artesanal (não motorizada): a partir de 1° de maio

** Emalhe anilhado e emalhe costeiro de superfície sem anilhas: a partir de 15 de maio

** Cerco/traineira (industrial): a partir de 1° de junho

Programação

* 8h – Café da manhã comunitário

* 9h – Procissão saindo da praça da Estátua do Pescador, acompanhada da Banda do Senhor Getúlio e das bandeiras dos casais festeiros do Divino

* 10h – Missa

* 11h – Abertura oficial da temporada de pesca da tainha 2019 pelo presidente da Federação dos Pescadores de Santa Catarina

* 11h20 – Entrega do Certificado de Registro da Pesca Artesanal da Tainha no Campeche como Patrimônio Cultural de Santa Catarina. Rodrigo Rosa, da Fundação Catarinense de Cultura (FCC),

faz a entrega à Associação de Pescadores Artesanais do Campeche.

* 12h – Apresentação de composições musicais sobre a pesca, com Elenir Inácio

* 14h – Atrações recreativas e culturais (corrida de canoa, cabo de guerra, capoeira)

* 15h – Exposição e soltura de tartaruga marinha do Projeto Tamar

* 16h – Apresentação do Boi de Mamão do Campeche

* 18h – Encerramento

NSC SC