As equipes do governo do Estado que estão envolvidas no plano de ações preventivas à possível chegada de mancha de óleo no Pará seguiram, na manhã

desta quarta-feira (23), para os municípios da costa atlântica paraense. Técnicos da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas), Corpo de Bombeiros e Defesa Civil Estadual, com o apoio da Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra) e Instituto Bioma, saíram de Belém para Viseu e Augusto Corrêa.

“Estamos tomando as medidas necessárias, preparando não só ações preventivas, mas também como vamos agir numa possível zona de contingência caso o óleo chegue ao Pará”, avaliou o secretário adjunto da Semas, Rodolpho Zahluth Bastos.

As equipes realizarão ações, como levantamento, coleta de amostras de água e orientações à população sobre como agir em caso de aparecimento de óleo nas praias. O Estado vai acionar a Defesa Civil dos municípios e as secretarias municipais de Meio Ambiente, para medidas integradas. Os técnicos vão monitorar as praias por terra e também na água, com apoio de duas embarcações.

“Reuniremos com os coordenadores da Defesa Civil municipal de cada cidade para repassarmos as informações sobre as ações de prevenção e preparação. Esse momento é importante para uma eventual identificação de vestígios de óleo. Assim, a coordenação estadual da Defesa Civil será comunicada o mais rápido possível para agir, além de inserir no Sistema Integrado de Informações de Desastres”, explicou a tenente coronel da Defesa Civil Estadual, Cilea Mesquita.

De acordo com o cronograma do Plano de Ação, na próxima sexta-feira (25), haverá deslocamento do município de Viseu para Augusto Correa, com visita técnica à colônia de pescadores e associações de extrativistas. No sábado (26), haverá novo monitoramento embarcado nas praias de Augusto Corrêa, com a mesma logística feita anteriormente em Viseu. No domingo (27), ocorre retorno a Belém.

Sobrevoo

No sobrevoo realizado na última segunda-feira (21), foram vistoriadas áreas de Vigia de Nazaré, São Caetano de Odivelas, Colares, Curuçá, Marapanim (Praia de Marudá), Maracanã (Ilha de Algodoal), Salinópolis, São João de Pirabas, Quatipuru, Bragança, Augusto Corrêa e Viseu, na divisa do Pará com o Maranhão. Os dois estados são separados pelo Rio Gurupi, onde também não foram encontradas manchas de óleo. A equipe de monitoramento ficou a 300 metros do nível da água, em uma altitude considerada baixa, mas dentro da margem de segurança.

(Agência Pará)