O que são as casas-caixão de Hong Kong?


Hong Kong é uma Região Administrativa Especial da China. O território não conseguiu absorver a onda de migrantes que chegam em busca de trabalho e daí surgiram as casas-caixão, quartos minúsculos, resultado da subdivisão ilegal de moradias.
Casas-caixão em Hong Kong: superlotadas
Segundo uma pesquisa publicada em meios de comunicação como National Geographic, cerca de 200 mil pessoas residentes de Hong Kong se viram obrigados a morar nestes lugares.
Hong Kong: moradia cara
A cidade dos arranha-céus, das construções futuristas e das inovações tecnológicas passa uma imagem deslumbrante para o mundo. Entretanto, para os moradores das casas-caixão, a prosperidade de Hong Kong está fora do seu alcance.
Hong Kong: crise imobiliária
O aumento da demanda de moradias tem provocado que Hong Kong seja um dos lugares com o solo residencial mais caro do mundo.
Casas-caixão em Hong Kong: identidade de uma urbe
As polêmicas casas-caixão de Hong Kong são famosas no mundo. Este tipo de moradia é a única alternativa encontrada para os que não podem pagar os elevados preços de aluguel da urbe.
Casas-caixão em Hong Kong: como são?
Os cubículos são separados uns dos outros por placas de alumínio ou de madeira e podem ter entre 1,5 e 9 metros quadrados, obrigando às pessoas a subsistirem com o imprescindível.
Casas-caixão em Hong Kong: lar de crianças
Cerca de 40 mil crianças vivem com suas famílias em casas-caixão (ou casas-jaula).
Casas-caixão em Hong Kong: quanto custam?
Alugar este tipo de habitação com qualidades ínfimas pode ser inclusive caro para alguns. Para morar em uma casa-caixão, paga-se aproximadamente 200 a 500 dólares de Hong Kong (de 24 a 50 dólares estadunidenses).
Casas-caixão em Hong Kong: preços
O custo para morar nestes lugares pode representar mais da metade do salário dos seus inquilinos.
Casas-caixão em Hong Kong: problema social
Em Hong Kong, estima-se que 20% da população de 7 milhões de habitantes vive na pobreza e muitos deles esperam um lugar para morar subsidiado pelo governo.
Casas-caixão em Hong Kong: sanitários coletivos
Os moradores destes minúsculos quartos chegam a compartilhar o vaso sanitário com até 20 pessoas.
Casas-caixão em Hong Kong: precariedade
A vida em um lugar tão precário, com uma infraestrutura sem nenhuma segurança, pode ser quase impossível.

Showbizz Daily

 

Slide 1 de 29: Hong Kong é uma Região Administrativa Especial da China. O território  não conseguiu assumir a onda de migrantes que chegam em busca de  trabalho e daí surgiram as casas-caixão, quartos minúsculos, resultado da  subdivisão ilegal de moradias.

Slide 2 de 29: Segundo uma pesquisa publicada em meios de comunicação como National  Geographic, cerca de 200 mil pessoas residentes de Hong Kong se viram  obrigados a morar nestes lugares.

 

Slide 5 de 29: As polêmicas casas-caixão de Hong Kong são famosas no mundo. Este tipo  de moradia é a única alternativa encontrada para os que não podem pagar  os elevados preços de aluguel da urbe.

Slide 6 de 29: Os cubículos são separados uns dos outros por placas de alumínio ou de  madeira e podem ter entre 1,5 e 9 metros quadrados, obrigando às pessoas  a subsistirem com o imprescindível.

Slide 7 de 29: Cerca de 40 mil crianças vivem com suas famílias em casas-caixão (ou  casas-jaula).

Slide 8 de 29: Alugar este tipo de habitação com qualidades ínfimas pode ser  inclusive caro para alguns. Para morar em uma casa-caixão, paga-se  aproximadamente 200 a 500 dólares de Hong Kong (de 24 a 50 dólares  estadunidenses).

Slide 9 de 29: O custo para morar nestes lugares pode representar mais da metade do  salário dos seus inquilinos.

Slide 10 de 29: Em Hong Kong, estima-se que 20% da população de 7 milhões de  habitantes vive na pobreza e muitos deles esperam um lugar para morar  subsidiado pelo governo.

Slide 11 de 29: Os moradores destes minúsculos quartos chegam a compartilhar o vaso  sanitário com até 20 pessoas.

 

Slide 15 de 29: Em Hong Kong há quem ganhe o equivalente a 5 dólares por hora e o  salário não acompanha os custos de vida. Mais da metade da população tem  uma renda inferior à obrigatória para pagar impostos.

Slide 16 de 29: Aposentados, pedreiros, drogados e famílias de trabalhadores de baixa  renda fazem o perfil das pessoas que moram nestes lugares.

Slide 17 de 29: Em um espaço de 46 metros quadrados, podem chegar a morar até 30  pessoas, cada uma em um quarto que não supera os 60cm de largura e 170 cm de  comprimento.

Slide 18 de 29: Morar em um ambiente com estas condições pode gerar problemas de saúde  físicos e psicológicos. A falta de espaço acarreta fortes odores, falta  de luz, aparição de bactérias e inúmeros problemas de higiene.

Slide 20 de 29: Quando surgiram, os compartimentos eram divididos com grades de arame,  como se fossem gaiolas uma em cima da outra.

Slide 27 de 29: Nesta foto, podemos ver que quase não há espaço para o próprio  morador.