Apontada como suspeita na morte do pastor Anderson do Carmo por um terceiro filho, a deputada federal Flordelis (PSD-RJ) ainda não se pronunciou nesta sexta-feira, 21.

A delegada Barbara Lomba, da DHNSGI (Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo), dará uma entrevista coletiva para mais detalhes sobre o caso nesta sexta-feira, 21.

Segundo a Polícia Civil, um dos filhos de Flordelis, que não teve a identidade ainda revelada, prestou depoimento e disse desconfiar de uma possível participação da mãe e de três irmãs -além dos dois irmãos presos-, na morte do pastor, no último domingo (16).

Dos dois presos suspeitos de terem participado no assassinato de Anderson, um era enteado da vítima e filho biológico da deputada federal e é apontado como responsável por ter disparado contra o pastor. O outro, filho adotivo do casal, é suspeito de ter adquirido a pistola usada no crime, que foi encontrada pela polícia dentro da casa do casal.

Souza e Flordelis voltavam de uma confraternização, segundo a deputada contou à polícia. Depois que chegaram em casa, o marido voltou à garagem porque teria esquecido algo dentro do carro. Nesse momento, a família ouviu o som dos disparos e desceu correndo. Souza chegou a ser levado ao Hospital Niterói D’Or, na região metropolitana do Rio, onde morreu. Nada foi roubado.

VEJA.com